Rota de Aprendizagem chega ao Piauí e apresenta Casa APIS aos jovens da América Central

Atualizado: 26 de mar.

A Rota de Aprendizagem passou pelo estado do Piauí na última terça (22), mais precisamente no Território do Vale Guaribas. A primeira parada ocorreu na cidade de Picos para uma visita a Central de Cooperativas Apícolas do Semiárido Brasileiro - Casa APIS.


Durante essa atividade, os participantes aprenderam sobre a importância da apicultura, principalmente, na região do Piauí, um dos estados com maior índice de pobreza no Brasil. Dessa forma, puderam conhecer, a partir dos relatos apresentados, como essa atividade apícola desenvolveu e melhorou a vida da população no semiárido nordestino.





A Visita


Antes disso, os jovens da América Central, juntamente, com os gerentes do Território de Aprendizagem Bahia (Arandelas) e Piauí (TAPI) ouviram explicações sobre o processo de beneficiamento e comercialização do mel, sobre aspectos relevantes a respeito do funcionamento dessa Central de Cooperativas que agrega nove cooperativas singulares e cerca de 900 cooperados, com uma média de 150 mulheres e em torno de 250 jovens de ambos os sexos.





No primeiro momento, foi apresentada a história e as dificuldades enfrentadas ao longo dos anos pela Casa Apis, dessa forma, o presidente da Casa Apis, Sitonho Dantas explicou que o ramo da apicultura quando implementado neste território era desconhecido e por este motivo foi desafiador iniciar nesse segmento.


“O início da cooperativa foi cheio de dificuldades, mas diante dos obstáculos os apicultores decidiram se unir ao perceberem que não fazia sentido agir como antes, quando cada cooperativa nova que surgia era como adversária das demais. Porém, mudamos esse comportamento nos juntamos e mobilizamos os produtores, até que chegamos na criação desse modelo central de cooperativas que é a Casa Apis”, destacou, Sitonho.



Além de conhecer esses aspectos iniciais, os participantes, aprenderam mais sobre a gestão e operacionalização da cooperativa, o processo da agroindústria e a área comercial. Além dessas informações, foi explanado sobre as certificações que a casa APIS possui e como elas são importantes: “Essa Central de cooperativas tem diversas certificações de qualidades e uma das mais importantes é a orgânica e a de Fair Trade, mas temos também a certificação contra transgênicos”, por isso, essas certificações garantem a qualidade da produção do mel e acesso aos principais mercados a nível mundial, além de assegurar a qualidade do produto, a conservação ambiental e a responsabilidade social.


A produção


De acordo com informações do presidente da Casa Apis, 12% da produção da cooperativa é direcionada para o mercado interno enquanto a maior parte é exportada, com foco na Europa e na América do Norte. A Casa APIS tem 18 anos de existência e apresenta experiências exitosas a partir desse molde de cooperativismo central. Processa 1.300 toneladas ao ano, e exporta 63 contêineres. Para 2022, a previsão é de exportar 1500 toneladas e 80 contêineres.






Apicultura


João Batista, disse que a Cooperativa Mista de Pequenos Apicultores (COMPAI), uma das singulares da casa APIS e da qual faz parte, possui grande relevância para a agricultura familiar e desenvolve o cooperativismo dentro das próprias famílias dos cooperados. Ele destacou que a apicultura trouxe grandes benefícios para a sua localidade:


"A apicultura envolve trabalho dos homens e das mulheres e os jovens também colaboram, essa atividade tem ajudado na preservação ambiental, pois, as famílias que trabalham nas cooperativas conservam as matas. Além disso, evita o êxodo rural e a migração dos jovens para outros lugares do país. A Casa APIS tem sido esse apoio, porque antes não tínhamos isso, principalmente, na hora da nossa comercialização dos produtos. A nossa cooperativa tem hoje em torno de 60 associados que estão na atividade produzindo mel e cera de abelhas”, disse o cooperado.





O professor Leonardo, do Instituto Federal PI, ressaltou em sua fala as potencialidades da apicultura: “é uma atividade maravilhosa e possui um potencial de mudar as difíceis realidades da pobreza e ajudar na transformação ecológica, mas a apicultura tem outras potencialidades bem significativas, por exemplo, ela é uma atividade sazonal, além de ser um dos é um dos trabalhos mais rentáveis", explicou o professor.

O coordenador do Projeto Viva o Semiárido no Território do Vale do Guaribas, Zezé Oliveira, enfatizou a relevância que a cooperativa possui a nível nacional: “Picos é a capital do mel e a casa APIS é o solo sagrado dessa atividade aqui no nosso município, em nosso estado e em nosso país. Este é o maior empreendimento de apicultura vinculado à agricultura familiar, aos pequenos produtores e, principalmente, contribui para a melhoria da vida de várias famílias”.

425 visualizações0 comentário