Compartilhando Saberes no Sertão do Ceará

O Território de Aprendizagem do Sertão Central, espaço de gestão do conhecimento mais novo na dinâmica dos Territórios de Aprendizagem no Brasil, já mostrou seu importante papel para ação de transformação a partir da realização do intercâmbio Saberes do Sertão.

A atividade que aconteceu nos dias 20 e 21 de junho de 2022 foi sediada nos municípios de Quixeramobim e Senador Pompeu, no estado do Ceará e contou com a representação de cinco mulheres agricultoras da comunidade de Vila Rica, situada no município de Quixadá, do mesmo Estado.


De acordo com o Danúbia Alexandre, gerente do TA Sertão Central, Eleni Alves, Maria Regineide, Maria Lucieuda, Raimunda Rosinete e Haila Maria que compuseram o grupo visitante, buscavam conhecer experiências voltadas para as práticas de quintais produtivos, juventude rural, organização social e comercialização solidária, mas puderam experimentar muito mais do que isso.


Acompanhadas pelos gerentes e talentos do TA Sertão Central, presenciaram na prática as vivencias de talentos que, além de suas experiências com agricultura, se descobriram como sujeitos ligados e conectados ao bem viver em sociedade e meio ambiente.

O grupo de mulheres pôde conhecer três, das diversas experiências exitosas desse território, sendo elas: Feira da Agricultura Familiar de Quixeramobim, rede de agricultoras e agricultores agroecológicos do Sertão Central e o jovem casal Maria Chaliane da Silva e Claudenir da Silva, agricultores agroecológicos, apicultores, feirantes, membros da rede residentes da comunidade de Mearim Quixeramobim-CE.


O primeiro intercâmbio realizado pelo TA Sertão Central mostra como a articulação das pessoas em torno da agroecologia e de práticas sustentáveis de agricultura, gestão e igualdade são fundamentais para a dinâmica das famílias nordestinas.

O TA Brasil tem certeza que vivenciar essas experiências foi um grande incentivo para o grupo que experimenta os processos de produção e comercialização solidária, levando a acreditar que é sim possível se viver e viver bem em sua comunidade. Na mesma medida, deposita sua satisfação e alegria em ter mais um grupo em atuação no trabalho de gestão de conhecimento em prol de um Semiárido cada vez mais resistente.


Confira mais fotos do intercâmbio:



Texto: Danúbia Alexandre

Revisão: Kaká Nascimento

30 visualizações0 comentário